Plano Nacional de IoT – O Brasil está preparado para essa regulamentação?

Regulamentação da IoT no Brasil. Estamos maduros para isso? A consulta pública para a criação do Plano Nacional de IoT – Internet das Coisas, na tradução em português, foi encerrada no último dia 7 de fevereiro, mas a discussão sobre o tema está longe de acabar.

De um lado, o governo e especialistas enxergam a necessidade de regular esse mercado. Do outro, operadoras e empresas de equipamentos ainda consideram cedo para impor limites ao desenvolvimento de produtos, o que poderia atrasar o desenvolvimento da tecnologia e restringir a inovação. Outra reivindicação das empresas seria a criação de um regime especial de tributação para acelerar investimentos no setor.

Quem defende a regulamentação aponta, especialmente, a questão da segurança da informação como ponto central para garantir a privacidade e a segurança dos usuários e empresas.

O crescimento do volume de dados trafegados com o desenvolvimento da Internet das Coisas deve aumentar exponencialmente. Estimativas apontam que até 2020, 40% dos dados trafegados virão de sensores. Hoje esse número está na ordem de 5 a 10%.

E a pergunta central é: de quem será o direito de usar os dados coletados por meio das coisas conectadas? Como proteger o interesse do usuário que terá informações pessoais disponíveis e que podem ser comercializadas e usadas indiscriminadamente? Ainda em relação aos dados, como gerenciar os custos com o aumento deste volume trafegado?

A vulnerabilidade a ataques de dispositivos conectados é outra preocupação. Carros autônomos que poderiam ser invadidos, sistemas de alarme de casas e residências e até a segurança de pacientes, cujos equipamentos hospitalares e prontuários conectados podem ser alterados por uma invasão cibernética.

O plano, que está sendo desenvolvido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTIC) em parceria com o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), contribuiria, ainda, para a criação de um padrão tecnológico no país.

O desenvolvimento de profissionais capacitados para atuar nessa nova tecnologia e o baixo incentivo para pesquisas em inovação no país, também ainda são desafios a serem vencidos no setor.

Fonte:
http://www.participa.br/cpiot/itens-da-consulta
http://www.mobiletime.com.br/10/02/2017/entidades-alertam-para-perigos-a-privacidade-na-iot/466267/news.aspx
http://computerworld.com.br/internet-das-coisas-vai-atrair-cada-vez-mais-cibercriminosos
http://exame.abril.com.br/tecnologia/internet-das-coisas-deve-ser-regulamentada-defende-pesquisador/
https://corporate.canaltech.com.br/noticia/telecom/teles-e-industria-pedem-para-governo-nao-regular-internet-das-coisas-no-brasil-88760/
http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=44491&sid=3

 

 

21 de fevereiro de 20170

Adicionar comentário