A digitalização da indústria farmacêutica

A transformação digital na área corporativa já é uma realidade também na área da saúde. Hoje a indústria farmacêutica conta com a automação tecnológica para garantir segurança de dados e evolução nos negócios.

Quando falamos de migração para a era digital, logo pensamos em distanciamento e menos contato humano, porém, na prática, a utilização de novos conceitos e ferramentas tecnológicas podem contribuir para estreitar o relacionamento entre empresa, colaborador e até mesmo o consumidor final.

Cada vez mais empresas que não são especializadas em tecnologia buscam ferramentas para evoluir seus produtos, serviços e processos.

O desenvolvimento tecnológico alcança todo o setor farmacêutico e é possível contar com a ajuda de softwares de gestão seja na indústria, no departamento financeiro e até mesmo no varejo.

E a utilização de plataformas e mecanismos tecnológicos traz uma série de benefícios, além garantir produtividade no dia a dia de colaboradores e, consequentemente, no serviço oferecido para os clientes e pacientes.

Exemplos de tecnologias que ajudam na organização da indústria farmacêutica

  • Cloud Computing: O armazenamento em nuvem pode ajudar a manter as informações em segurança;
  • Big Data: É possível fazer controle de logística, gestão estratégica e relacionamento com o cliente utilizando informações de big data;

Mobilidade corporativa no setor farmacêutico

Você sabia que profissionais equipados com dispositivos móveis e ferramentas adequadas aumentam em até 40% a produtividade e performance de trabalho?

As tecnologias móveis estão evoluindo e auxiliando todos os segmentos da indústria de diferentes formas. Elas podem ser aplicadas tanto para vendas, mas também na logística de serviço.

A utilização destes meios pode trazer mais produtividade e otimizar o trabalho, além de reduzir custos.

Os fornecedores de medicamentos, por exemplo, conseguem ter acesso às informações mesmo não estando dentro da empresa. Em qualquer local é possível obter dados sobre os produtos e sua localização.

A utilização de tablets e smartphones, junto com aplicativos e ferramentas para realizar atividades diárias, podem agilizar a investigação e ensaios clínicos, melhorar o monitoramento de pacientes, capacitar equipes de venda e, ainda, permitir que os medicamentos cheguem rapidamente e em segurança a seu destino.

Quer um exemplo prático?

Uma grande indústria farmacêutica tem colaboradores espalhados pelo Brasil e disponibilizou dispositivos móveis para todos os seus funcionários que estão em campo, ou seja, trabalham fora do escritório.

Agora, o entregador consegue fazer a entrega com a ajuda de um aplicativo, conferir os dados dos clientes, os medicamentos solicitados e enviar um “ok” para a central, que detém o controle do estoque.

Conheça os benefícios da tecnologia no gerenciamento da indústria farmacêutica

  • Garantia operacional;
  • Segurança;
  • Redução de custos;
  • Controle;
  • Visibilidade;
  • Atendimento de qualidade;
  • Relacionamento com o cliente;

Em busca dos resultados

Automatizar a equipe pode ser a melhor solução na busca por melhores resultados.

A rotina da uma equipe de vendas de uma indústria farmacêutica é bastante dinâmica e exige que seus representantes comerciais tenham sempre a mão as ferramentas essenciais para o desenvolvimento de suas atividades.

O uso de dispositivos móveis pode garantir máxima eficiência. Contar com um aplicativo de rotas de visitas ou de sistema de inserção de pedidos de compra, por exemplo, pode descomplicar o dia a dia.

Para ter segurança e eficácia no mercado farmacêutico, algumas soluções podem fazer a diferença:

BYOD: O conceito BYOD (Bring Your Own Device ou Traga seu Próprio Dispositivo). Bastante adotado nas empresas, incluindo o segmento farmacêutico.

Para a empresa o principal ponto favorável é a redução de custo, entretanto, é preciso investir em um programa estruturado para receber estes dispositivos e não ferir as regras básicas de segurança da informação.

Entre os benefícios de aderir ao BYOD, destacamos:

  • Redução de custos com equipamentos;
  • Maior comodidade do funcionário;
  • Aumento da produtividade;
  • Mobilidade;

Modo Quiosque: Muito utilizado em empresas farmacêuticas em vendas e por prestadores de serviços por tornar o smartphone ou tablet um formato de quiosque mesmo, com a tela travada em um dois aplicativos.

No dispositivo, o usuário somente acessará o que a empresa disponibilizar. Todas as outras funcionalidades ou recursos são desabilitados, incluindo navegador de Internet e acesso à loja de aplicativos.

Isso garante que o dispositivo está sendo utilizado inteiramente para realizar a sua função.

Aplicativos móveis:  O uso de os aplicativos móveis já é uma realidade no uso corporativo. Entretanto, a rotina de atualização das versões é algo que pode ser tornar trabalhoso para a área que provê o aplicativo e usuários.

A solução pode ser contar com uma plataforma que faça a gestão dos aplicativos, garantindo sua função operacional.

Mapeamento de geolocalização: Diversas ferramentas mapeiam a localização do dispositivo, permitindo a um gestor comercial, por exemplo, saber a trilha por onde seus vendedores estiveram no dia e confrontar com o planejamento de visitas. Além de otimizar os próximos planejamentos, identificar novas oportunidades e ganhar tempo.

Produtividade e Segurança precisam caminhar lado a lado

Uma gestão profissional do ecossistema de mobilidade, que inclui os equipamentos móveis em si e a sua logística, além do controle dos custos com telefonia, licenciamento de softwares e o atendimento especializado aos usuários que estão em campo, garante a continuidade do negócio e altos índices de produtividade.

Catálogos de produtos, sistemas de aprovação e pedidos, portais corporativos quando mobilizados, ou seja, transformados em aplicativos ou ferramentas em formato específico para smartphones e tablets, por exemplo, podem tornar o acesso rápido e fácil, aumentando o desempenho da equipe de campo.

Aparelhos equipados e com aderência de utilização pelos usuários é o cenário ideal para a empresa que implementa mobilidade. Entretanto, sem segurança, torna-se vulnerável a roubo ou vazamento de informações importantes e críticas.

E como garantir a segurança dos dados e dispositivos?

O mais adequado é implementar uma ferramenta de gestão para ter controle de todos os acessos e implementar políticas de segurança.

Entendendo o negócio

Ao implementar estratégias tecnológicas é importante que a empresa conheça seu negócio, o que faz sentido em relação aos seus produtos, serviços e processos internos e, claro, sem esquecer da gestão.

A gestão de dispositivos vai focar em:

  • Controle de dispositivos;
  • Gestão de aplicativos;
  • Segurança;
  • Garantia de disponibilidade de serviços;
  • Inventário;

Quando falamos de uma grande empresa, que investe em muitos aparelhos, é importante contar com plataformas que ajudam a fazer a gestão de todos os dispositivos.

É a gestão que garante a funcionalidade dos aparelhos e vai ajudar em problemas como:

  • O app parou de funcionar?
  • Temos um erro no sistema?
  • Fui furtado?
  • Como solucionar resolver o meu problema?

Uma ferramenta de mercado e uma área de suporte experiente e/ou bem treinada soluciona o problema remotamente e de forma ágil, facilitando a vida e o trabalho do colaborador.

E como fazer a gestão dos dispositivos móveis?

Cada vez mais modernos, os dispositivos móveis possibilitam aos gestores de TI fazer o gerenciamento empresa a qualquer hora e em qualquer lugar.

Com uma plataforma de gestão baseada no conceito do EMM (Enterprise Mobility Management ou Gerenciamento de Dispositivo Móveis, em português), é possível fazer o controle de todos os dispositivos utilizados por uma grande indústria farmacêutica, por exemplo.

De olho nas tendências do mercado, Gartner aponta que em 2020 existirão 20 bilhões de objetos conectados à Internet.

Estes dados mostram que cada vez mais surgem oportunidades para as empresas potencializarem suas plataformas digitais e gerar novas fontes de receita.

Ao investir em dispositivos móveis, dois outros pontos também precisam ser levados em consideração: o controle e visibilidade dos dados.

O controle de Inventário pode se tornar um grande vilão para muitas empresas que tem dificuldades na gestão de seus ativos tecnológicos.

Sem as informações corretas dos dispositivos, centro de custo ao qual eles pertencem e o dispositivo correspondente, a empresa não consegue obter informações precisas como:

  • A quantidade de aparelhos;
  • Quais os modelos;
  • Quem são os responsáveis por estes equipamentos e gastos;

De olho no bolso!

Outro ponto favorável em adotar medidas tecnológicas é para fazer o controle e redução de custos.

Para que se obtenha todos os recursos necessários na mobilidade corporativa é imprescindível investir em aparelhos móveis e dados de Internet.

Com isso, facilmente a empresa pode ter um aumento significativo nos seus custos com telefonia e descontrole nos gastos e gestão. Implementando a Gestão de Despesas de TI.

Com o ITEM – Information Technology Expense Management ou Gestão dos Custos de Tecnologia da Informação, em português, é possível acompanhar os gastos, definir políticas de uso, ratear adequadamente os valores e, principalmente, conhecer os principais ofensores e tomar medidas assertivas para redução e controle dos custos.

O controle de custos vai focar em:

  • Gestão de faturas e contratos;
  • Gestão de uso;
  • Gestão de licenças SaaS;

Agora que você já sabe que dá para ser digital também na indústria farmacêutica, que tal entender quais são os serviços e soluções disponíveis no mercado?

Saiba sobre mobilidade corporativa, gestão de dispositivos móveis e redução de custos. Acompanhe os demais conteúdos disponíveis em nossa biblioteca:

Adicionar comentário