A Internet das Coisas pode trazer Riscos?

Muito tem se falado em Internet das Coisas. A Navita, inclusive, criou uma websérie específica para abordar o assunto. E, juntamente com a inovação e inúmeras possibilidades permitidas pela IoT, surgem também os riscos inerentes ao desenvolvimento dessa tecnologia.

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

A segurança da informação gerada por IoT será mais complexa e exigirá investimentos ainda mais altos. Um estudo da Nexusguard e conduzido pela empresa de pesquisa e de inteligência de mercado Cybersecurity Ventures sobre os riscos de dispositivos sempre conectados, apontou que até o final de 2017, mais de 20% dos negócios utilizarão serviços de segurança para proteger suas iniciativas de IoT. Além disso, este mercado impulsionará pesquisas e investimentos na área de segurança até 2025.

As principais preocupações estão relacionadas à privacidade e segurança. Já há muita discussão sobre quem pode ter acesso e o uso de dados obtidos pelos dispositivos conectados. Se é verdade que vivemos em um mundo cada vez mais conectado e com menos privacidade (leia artigo de nosso CEO sobre o assunto), com o crescimento da IoT ela será cada vez menor. O volume de informação aumentará drasticamente e a exposição de todos também.

 

E OS HACKERS?

A questão de segurança envolve desde ataques hackers à execução das funcionalidades. Alguns especialistas chamam atenção de que muitos equipamentos de IoT têm opções limitadas para atualização de firmware, além de outros recursos de gerenciamento de risco, tornando-os altamente suscetíveis à invasões e ataques.

Outra preocupação está relacionada aos códigos chamados de dia-zero, em que hackers aproveitam vulnerabilidades e falhas ainda não previstas para atacar um novo sistema.

 

FALHAS DE DISPOSITIVOS

Acha que é pouco? Pense, então, nas possíveis falhas de dispositivos ou problemas com as empresas desenvolvedoras. Sim, os riscos são grandes e proporcionais à grande revolução deste mercado. O aspecto positivo é que os investimentos nessa tecnologia não param de crescer, ampliando as possibilidades de prevenir esses riscos.

Quer saber mais? Acompanhe nossa websérie.

Adicionar comentário