Três tendências de Telecomunicações para 2018

Fonte: Raquel Xavier, para o Khomp.

Se analisarmos a evolução tecnológica nos últimos anos, percebemos que o setor de telecomunicações é um dos mercados com saltos evolutivos mais constantes. Considerando desde a popularização do celular e a introdução da internet nos computadores pessoais, e posteriormente a criação dos smartphone e wearables, temos um cenário de mudanças expressivas. Por esse motivo, manter-se atualizado é importante para qualquer pessoa ligada à área.

LTE para banda larga fixa

A tecnologia Long Term Evolution (LTE) esteve em alta em 2017. Com a regulamentação do fornecimento de banda larga fixa, prevista para 2018, a projeção é que em locais onde o acesso à internet de alta velocidade é restrito, esse tema ganhe ainda mais força.

O LTE é reconhecido como a quarta geração de telefonia móvel e amplia as possibilidades de conexões com a transmissão de dados, ultrapassando a casa dos gigabits por segundo. Por isso, o serviço de banda larga está crescendo e pequenas operadoras estão se destacando nesse setor. Segundo dados da Anatel, os acessos a essa modalidade cresceram 5,5% nos últimos 12 meses, e os pequenos provedores representaram cerca de 70% desse montante entre janeiro e abril desse ano. Falando especificamente sobre LTE, o acesso por meio dessa tecnologia chegou a 1,33%, ultrapassando as conexões por satélite. Esses dados ajudam a entender o que esperar do serviço de banda larga no próximo ano.

IoT

A Internet das Coisas (IoT, sigla em inglês) também tende a crescer em 2018. Isso porque o mercado nacional começa a abrir os olhos para essa tecnologia e expandir esse conceito, apresentando ao grande público soluções implementadas na indústria, construção civil e outros usos profissionais. A IoT está possibilitando a criação de smart cities, cidades inteligentes nas quais os serviços são conectados, inovadores e sustentáveis.

Segundo dados do IDC Brasil o IoT já representa 5% do investimento em algumas empresas. A projeção é que o até 2020 o conceito atinja 13 bilhões de dólares no Brasil.

A Khomp já está inserida nesse contexto com o Mobile Intercom, e mais recentemente com o gateway ITG 200 – uma plataforma para integração de soluções de telemetria, que pode ser aplicada nos setores de Saúde, Alimentação, Agrícola e qualquer outro que necessite de monitoramento de temperatura para a manutenção de seus insumos.

Telefonia em Nuvem

A possibilidade de contratar tecnologia em nuvem revolucionou os métodos de trabalho por sua praticidade e qualidade de comunicação. Um serviço em nuvem em telecomunicações que promete expandir em 2018 é a telefonia.

A telefonia em nuvem flexibiliza ambientes corporativos por permitir a redução e expansão de operações, e a transferência de localidades, de forma mais fácil que o modelo tradicional. A gravação de chamadas também é facilitada.

Segundo dados da Synergy, desde 2015 o serviço de telefonia em nuvem ultrapassou o PABX tradicional e a previsão é de crescimento de 9,2% nos próximos três anos.

Novas tecnologias de processamento em rede aliado a links de dados mais estáveis e mais baratos fomentarão sistemas de telefonia distribuídos em nuvem e com maior integração de serviços”, explica Giancarlo Macedo, CEO da Khomp. Isso significa mais segurança e possibilidades quando o assunto é telefonia em nuvem.

5 de junho de 20180

Adicionar comentário