O que é ESG? E qual sua importância para uma empresa?

Muito se fala sobre o crescimento sustentável e de metodologias limpas de produção. Contudo, mesmo sendo amplamente debatido, o tema deixa dúvidas sobre o que realmente deve ser feito. 

O ESG surgiu como um “guia” capaz de nortear as empresas na construção de um negócio com grande foco social e ambiental. 

Neste post, você vai conhecer o que é ESG e demais assuntos relacionados ao tema, além de entender qual é a real funcionalidade dessa abordagem, para a manutenção da boa imagem de sua empresa!

O que é ESG?

Para que você se familiarize com o termo, é importante apresentar uma introdução prévia, explicando a importância do conceito dentro do contexto empresarial. 

A sigla ESG se refere à Environmental, Social and Governance, ou seja, Meio Ambiente, Social e Governança. Perceba que são três os pilares de avaliação. Assim sendo, uma empresa certificada no padrão ESG é aquela que segue todas essas vertentes. 

O primeiro dos tópicos é o Environmental, que nada mais é do que os cuidados que a empresa possui para com o meio ambiente. Esse importante tema, objeto de relevantes certificações do mercado, é o pilar número 1 do ESG. 

Em seguida, o Social se refere ao contexto da humanização dos contatos internos. Medidas de combate ao assédio e(ou) qualquer tipo de ofensa são caracterizadas como sociais e se encaixam no pilar número 2

Por fim, o fator administrativo da empresa, o pilar de número 3, Governance. Aqui, encontram-se todas as estratégias gerenciais da empresa e os seus planejamentos de governança, que precisam levar em consideração os dois pilares anteriores. 

De uma forma ampla, unindo todos esses pilares, é possível encontrar objetivos que compõem uma visão macro do ESG. São metas que podem abordar todos os pilares de uma só vez. Saiba tudo sobre essa visão de longo prazo.

Principais características do ESG

A prática do ESG é muito baseada em ações que visam um benefício futuro. Basicamente, consiste em alterar ou ajustar os rumos do presente, com o objetivo de vivenciar um amanhã próspero e saudável. 

Alguns objetivos que seguem essa visão estão destacados abaixo. Esses são os mais importantes e representam um consenso entre as empresas que assim o seguem. 

Sustentabilidade

Um dos temas mais importantes e urgentes do mundo (se não for o mais) é a sustentabilidade. Empresas que aderem ao ESG estão preocupadas com os efeitos de suas ações na natureza e, por conta disso, buscam métodos práticos para exercer a sustentabilidade. 

Por menor que seja a empresa, é inevitável que possua um impacto ambiental significativo, chamado de pegada ecológica. 

Com o ESG, as empresas passam a realizar análises constantes, a fim de identificar pontos de melhoria, para tornar o processo de produção mais harmônico com o meio ambiente.

O clima

Seguindo o gancho da sustentabilidade, é necessário ressaltar os efeitos que a pegada ecológica dos negócios gera nas questões climáticas.

Não é nenhum exagero dizer que o comportamento climático do planeta está mudando. O fato é que a natureza vem se tornando mais agressiva e isso possui uma influência em especial: a ação do homem.

Estima-se que as 200 maiores empresas do mundo terão um custo extra de até US$ 1 trilhão nos próximos anos. Esse investimento será necessário para que possam lidar com as mudanças no meio ambiente. 

No fim, todos terão de realizar investimentos para lidar com esse problema. Porém, aqueles que hoje estão atuando para minimizar os impactos  dos danos causados pelas questões climáticas, certamente estarão mais preparados futuramente.

Convívio social

Acredite ou não, mas ainda existem trabalhos análogos à escravidão no Brasil. Mesmo estando no ano de 2022, infelizmente ainda é possível encontrar cenários semelhantes

E isso vai absolutamente contra todo e qualquer precedente estabelecido no ESG, como era de se esperar. 

Para que uma empresa possa ter uma convivência harmônica, é preciso que as pessoas (aquelas que fazem tudo acontecer) sejam respeitadas e tratadas de forma digna. 

Um trabalho análogo à escravidão é aquele que em seus meios de atuação viola inteiramente (ou em partes) pressupostos básicos da boa convivência de um ambiente corporativo e ao respeito ao colaborador. 

Um bom exemplo  é o aumento desenfreado de carga horária de trabalho sem a devida remuneração e até mesmo extrapolando os limites permitidos por lei. Outro bom exemplo é a destinação de profissionais para áreas insalubres, que oferecem riscos iminentes à vida. 

Em resumo, a empresa precisa estar rigorosamente alinhada com os cuidados aos seus colaboradores, respeitá-los e oferecer a eles todo o suporte necessário para o bem-estar e desenvolvimento profissional. 

Longevidade da empresa, das pessoas e da estrutura

A empresa responsável  trabalha pensando no dia de amanhã. Na prática, suas ações são voltadas para a construção de uma estrutura sólida, de uma marca com credibilidade e que possui uma forte presença em seu meio de atuação.

Para se ter a visão de longevidade de uma companhia, é preciso priorizar a gestão de processos. Eles são responsáveis pela construção da imagem de uma empresa ao longo dos anos. 

Com o ESG, a empresa possui uma visão em 360º e um foco absoluto no futuro. 

Afinal, suas ações são voltadas para a construção de uma marca resiliente, que respeita as pessoas e que está preocupada com o meio-ambiente.

Não se pode pensar em alta produtividade sem antes priorizar condições favoráveis para que isso possa ocorrer.  

Governança de olho no futuro

O dia de amanhã não pode ser tratado como incerto, às margens do que der e vier. Essa é uma visão totalmente equivocada e fora dos padrões do ESG. 

Para crescer, não basta avaliar apenas as situações positivas, em que tudo ocorre de forma plena. É preciso ter uma visão analítica e compreender todos os cenários do negócio. 

A visão ESG determina que a empresa tenha a autonomia para utilizar os dados ao seu favor, observando sempre as probabilidades mediante as suas ações e respeitando os pressupostos de sustentabilidade previstos. 

A importância da certificação ESG

Seria o ESG realmente uma medida obrigatória para as empresas que querem apresentar o seus propósitos para o mercado? 

Obviamente que não. Uma certificação é insuficiente para tornar  sua empresa mais sustentável. O que realmente importa é o conjunto de ações realizadas para que se pudesse chegar até a conquista da certificação. 

É natural que algumas empresas o busquem de forma mais enfática, como é o caso  das companhias que geram um impacto ambiental representativo. Isso aumenta o nível de credibilidade e confiança naquilo que deverão realizar.

É possível pressupor que a certificação ESG não é obrigatória. Porém, a credibilidade oferecida ao mercado após obtê-la justifica qualquer ação tomada em seu benefício. 

Agora, você vai entender um pouco mais sobre o processo de implantação da filosofia ESG dentro das empresas. Observe atentamente cada ponto apresentado! 

A IKUS

O ESG é um padrão que sugere uma nova filosofia de trabalho para as empresas, um modelo que respeita a relação com o meio ambiente, o contato entre as pessoas e a visão estratégica de futuro. 

As empresas podem ou não se sentirem estimuladas a demonstrarem padrões de certificação de uso desse modelo. Mesmo não sendo uma obrigatoriedade, é muito comum que o desejem por ser uma prova de valor imensurável. 

A IKUS, uma empresa mexicana, propõe o que há de mais próximo do que seria uma certificação, como propriamente dita. Eles analisam as instituições sob a ótica de quatro pilares: social, meio-ambiente, comunidade e ético

Já são mais de 2.300 empresas avaliadas. Conforme a própria IKUS define, o seu trabalho consiste em: 

“A sua importância objetiva um modelo de geração de negócios sustentáveis, com medidas, cultura e valores que os permitam se manter a longo prazo, já que contribui para melhorar as condições do mercado laboral e em caso de produção de bens, cuidar e preservar o meio ambiente.”

Como é auditado o nível de aderência das empresas?

A auditagem das empresas é baseada nos três pilares que representam o ESG. Para que possam demonstrar ao mercado o comprometimento de suas marcas, as empresas se posicionam em fundos de ESG, presentes na bolsa de valores de São Paulo (Ibovespa – B3).

As métricas que representam o índice de comprometimento das empresas são: 

  • Meio ambiente: O que foi feito? Como foi feito? O que será feito? Todas essas perguntas são essenciais para demonstrar o quanto a empresa fez e deverá fazer para a preservação ambiental. 
  • Social: adotar medidas para abraçar a diversidade e ser equivalente na contratação dos diferentes gêneros.  Todas essas são medidas importantes e mostram que as marcas estão abertas para todos. Afinal, as pessoas possuem os mesmo direitos. 
  • Governança: nesse ponto, é importante que a empresa apresente as suas metas de governança que devem acolher os outros dois pilares anteriores, ou seja, as medidas já levam em consideração que as práticas de ESG são parte natural do processo de crescimento da marca. 

ESG: sustentabilidade e negócios

Se tivesse de ser resumido em poucas palavras, certamente o ESG seria classificado como a “economia sustentável”, afinal, sua aplicação está inteiramente ligada ao desenvolvimento de uma economia limpa. 

Isso já é bastante visível no mercado, já que a bolsa de valores de São Paulo conta com índices de comprometimento das empresas, onde as próprias compartilham seus dados com o mercado. 

Existem dois tipos de análises: aquela fornecida pela própria empresa, e a pontuação por observação, que leva em consideração a visão de terceiros e suas respectivas percepções sobre as empresas avaliadas. 

Durante a COP 26, a preservação ambiental pelas empresas foi motivo de debate pelas lideranças mundiais, que estão seriamente envolvidas com a redução dos danos ao meio ambiente 

O acordo, denominado International Sustainability Standards Board, foi proposto (administrado pela IFRS Foundation). Nele foram propostas medidas concretas de combate aos danos ambientais , que serão compartilhadas com as empresas, para que sirvam de guia de boas práticas para o futuro.

Melhores práticas para se ter um bom ESG

Dado o acordo apresentado no tópico anterior, a melhor forma de se implantar o ESG, é seguindo como parâmetro as sugestões que foram definidas pela IFRS Foundation e seus representantes. 

São propostas essenciais que resumem esse comprometimento que a empresa tem para a construção de  um mundo sustentável: 

  • Foco nos stakeholders: é preciso apresentar com muita clareza aquilo que vem sendo realizado pela empresa para os investidores. Demonstrar os números com total transparência mostra o sério comprometimento da companhia. 
  • O clima: os impactos relacionados às questões ambientais precisam ser o foco.
  • Organizar por áreas: é preciso definir em blocos aquilo que está sendo feito e comparar com os períodos históricos. Faça revisões das ações relacionadas ao meio ambiente, aos meios sociais e aos projetos de governança.

Como a Navita implantou o ESG?

O ESG sempre foi levado muito a sério pela Navita, tanto é verdade que a empresa seguiu rigorosamente as práticas, para que tudo saísse conforme o planejado. Como resultado desse compromisso, a empresa recebeu o seu “selo” de respeito ao padrão.  

A companhia foi avaliada por meio de uma pesquisa realizada pela IKUS. A avaliação, feita com base em um padrão de qualidade internacional, confirmou que tudo estava dentro do recomendável para que a Navita pudesse garantir o seu padrão ESG de qualidade. 

O principal fundamento a ser avaliado é a sustentabilidade. A empresa avaliadora observa o nível de comprometimento da marca para com as suas ações que podem impactar diretamente o meio ambiente. 

A Navita mostrou que suas ações visam zelar o ambiente como um todo, incluindo os cuidados com a natureza e os valores presentes nas relações sociais, que são respeitosas e harmônicas. 

Hoje, a Navita se posiciona como um case de sucesso nacional, que representa a visão de uma empresa focada nos desafios do mundo contemporâneo. A companhia se mostra comprometida com os desafios, resiliente para novas descobertas e mudanças e focada em seus maiores propósitos. 

Este conteúdo foi relevante para o seu aprendizado? Então, não deixe de acompanhar o blog da Navita para ficar por dentro de todas as novidades!

Adicionar comentário