Redução de custos e seus vilões. Confira suas aplicações

A redução de custos nas empresas não deve ser uma preocupação que surge apenas quando os resultados não vão bem.

Manter o financeiro do negócio saudável pode ser um desafio, principalmente frente a tantas despesas fixas e variáveis. Por isso, é necessário sempre se planejar para o futuro, considerando possíveis desastres, como também no investimento de recursos para impulsionar o crescimento. 

Para isso, é preciso gerenciar de forma eficiente todas as despesas. Sejam elas relacionadas à estrutura física, impostos, transações financeiras, com o pessoal ou com a área de TI. 

Até porque, a tendência é que esses custos só aumentem a cada ano. Um exemplo disso, são os gastos com tecnologia, que devem atingir US$ 4,2 trilhões em 2021, o que representa um aumento de 8,6% em relação ao ano passado, segundo pesquisa do Gartner.

Isso, é devido a infraestrutura de TI, que vem recebendo mais investimentos por parte das empresas. Para exemplificar, os recursos estão se concentrando, principalmente em:

  • Sistemas de Data Center: onde as despesas pularam de US$ 178,466 para US$ 191,648;
  • Software empresarial: de US$ 529,028 para US$ 598,957;
  • Dispositivos: de US$ 696,990 para US$ 793,973.

Mesmo que esses custos tenham o objetivo de estimular a expansão das organizações, nem sempre há uma gestão eficiente por trás deles, o que pode sinalizar desperdício de dinheiro. 

Pensando nisso, nós preparamos esse artigo para falar sobre os principais vilões de gastos e como reduzir custos nas empresas. Acompanhe

Redução de custos: 5 principais vilões das empresas e como neutralizá-los

Como mencionamos no começo deste artigo, uma empresa possui inúmeros gastos, que variam entre fixos e variáveis. E para identificar se os recursos são bem utilizados, a implementação de um gerenciamento que rastreie e monitore toda a movimentação é o mais indicado.

Porém, existem 5 vilões principais que são os responsáveis por tornar o orçamento das organizações pesados e até limitados. 

Então, se o objetivo é a redução de custos nas empresas, é essencial começar por eles. 

Contratação de pessoal

Infelizmente, o turnover – demissões e contratações frequentes – ainda é uma realidade do cenário corporativo brasileiro. 

Mas, apesar de parecer ser um problema apenas de continuidade, na verdade, essa cultura acaba acarretando grandes prejuízos financeiros, já que todo o processo de contratação e demissão inclui gastos com exames demissionais, FGTS e treinamentos. Isso sem contar com o tempo desperdiçado na habituação e orientação do novo colaborador. E, no mundo empresarial, tempo é dinheiro.

Portanto, uma forma de obter a redução de custos nas empresas, é reavaliar os benefícios fornecidos aos funcionários (vale refeição, bonificações, cursos oferecidos, dentre outros), assim como analisar se o perfil de funcionário que se está buscando se encaixa nos valores da empresa. 

Até porque, esse problema também impacta na retenção de talentos, baixa produtividade operacional e danifica a imagem da empresa no mercado de trabalho.

Impostos, taxas e tributos

Dependendo do porte da empresa, podem estar inclusos nas despesas fixas, impostos e tributos em níveis municipal, estadual e também federal. E, ao contar com gastos referentes a energia elétrica, água, taxas financeiras e juros, boa parte do orçamento é tomado. 

Neste quesito, a redução de custos pode ser obtida por meio de sistemas de contabilidade, análise sobre as opções de taxas por transação que existem no mercado e, através de uma conscientização coletiva sobre o uso da energia aliada à tecnologias que possam otimizar a sua utilização.

Aluguel e condomínio

Ter um espaço próprio e bem estruturado é o sonho de muitos empresários. No entanto, além da possibilidade de o espaço não ser bem aproveitado, as despesas com aluguel e condomínio podem ser desproporcionais ao orçamento da empresa.

Então, pesquisar os preços de outros imóveis na mesma e em outras regiões, além de considerar as alternativas que existem hoje em dia, como co-working (espaço de trabalho compartilhado) e home office são opções de como reduzir custos nas empresas.

Mobilidade corporativa

Os dispositivos móveis são um dos grandes responsáveis por tornar o trabalho muito mais dinâmico e flexível nos dias de hoje. Principalmente, quando o home office está tão em alta.

No entanto, sem um gerenciamento, as despesas com mobilidade corporativa podem impactar de forma significativa a saúde financeira do negócio. 

Isso porque, a má utilização dos aparelhos aliada ao uso para fins pessoais, pode ocasionar gastos excessivos com pacotes de dados, manutenção e compra de outros aparelhos. 

Por isso, é essencial contar com uma ferramenta de gestão dos dispositivos móveis para a redução de custos, além de implementar politicas de segurança e de uso dos celulares corporativos

Custos com TI

Como mencionado no começo do artigo, os custos com TI cresceram em comparação com o ano passado. E a tendência para o ano que vem também é de aumento. De acordo com o mesmo estudo do Gartner, as despesas com a área vão saltar dos US$ 4,2 trilhões para US$ 4,4 trilhões. Ou seja: 5,3%.

E um dos  principais desafios das instituições é como obter a redução de custos em TI sem que isso afete a qualidade dos serviços e o desempenho operacional. 

No entanto, não é necessário abrir mão de um para adquirir o outro. É completamente possível reduzir os custos por meio de uma identificação dos gargalos que estão consumindo mais os recursos e assim, direcioná-los de uma forma melhor. 

Geralmente, esse aumento de despesas da área de TI está relacionado com alguns problemas comuns e que podem ser facilmente resolvidos. 

Por exemplo, diante de tantas opções de ferramentas, servidores e plataformas, ao invés de buscar apenas uma que resolva todos ou os principais problemas da empresa, são implementadas diversas tecnologias, que nem sempre possuem integração.

Além disso, cada uma possui um fornecedor diferente, o que dificulta o suporte e pode até encarece-lo, já que cada uma pode demandar um treinamento diferente. 

Manter uma equipe de TI apenas para o suporte dessas ferramentas é outro fator que limita a possibilidade de redução de custos. Uma forma de resolver a questão é utilizar servidores gerenciados, onde o fornecedor oferece profissionais qualificados que estão disponíveis 24 horas por dia para auxiliarem nas suas demandas.

Outro problema bem comum, são as despesas com licenças de produtos, downloads de programas pagos, manutenções, compras de equipamentos de TI, dentre outros fatores que aumentam os custos direta ou indiretamente. 

Para a redução de custos neste sentido, a solução é migrar a infraestrutura para a nuvem, que não possui nenhum desses gastos, além de otimizar e facilitar a comunicação e o compartilhamento de informações. 

E esses são apenas os principais fatores que dificultam a redução de custos nas empresas, e que, por consequência, limitam seu crescimento. Quer mais dicas sobre como direcionar melhor os recursos do seu negócio? Continue a ler o blog!

 

Adicionar comentário