Logística reversa: como gerenciar os aparelhos celulares

Afinal, é preciso que os fabricantes se tornem mais conscientes da necessidade de reduzir o impacto ambiental negativo, principalmente, em uma época em que os aparelhos eletrônicos se tornam obsoletos muito rapidamente.

No Brasil, já existem muitos programas de logística reversa para celulares, como as iniciativas da Vivo, Claro e Samsung. E, apesar de o setor ainda precisar de avanços, o caminho a ser percorrido já foi traçado pelo Acordo Setorial para a Logística Reversa de Produtos Eletrônicos.

O acordo prevê que as empresas instalem, de forma gradual, mais de cinco mil PEVs (Ponto de Entrega Voluntária) nas 400 maiores cidades do país até 2025. 

O principal objetivo do tratado é que 17% dos produtos colocados no mercado em 2018, calculados em peso, sejam coletados e corretamente destinados. 

Além dessa resolução, o Governo Federal também anunciou investimentos para o setor. O Decreto Presidencial nº 10.936, que cria o Programa Nacional de Logística Reversa, foi publicado, no início de janeiro de 2022.

O projeto tem como objetivo coordenar, integrar e potencializar os diferentes sistemas de logística reversa no país e melhorar a comunicação com os cidadãos sobre os pontos de coleta e o descarte correto de resíduos.  

A meta do Ministério do Meio Ambiente é chegar a cinco mil pontos de coleta até 2025, sendo que já foram implantados três mil pontos. 

As ações necessárias já estão sendo tomadas. Mas, para que ocorra uma mudança realmente significativa, é preciso também que as empresas se atentem para o correto descarte de celulares corporativos. 

Neste artigo, explicamos como funciona a logística reversa para dispositivos móveis, quais são as vantagens para a organização, como implementar o processo e muito mais. Acompanhe.

Como funciona a logística reversa para celulares

Segundo a resolução nº 401/08 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), fabricantes, importadores e lojas que comercializam aparelhos eletrônicos devem realizar ações ou disponibilizar pontos de coleta para receber pilhas e baterias usadas.

Portanto, ao invés de realizar o descarte de celulares por meio de sucateiros, catadores ou instituições de reciclagem, o ideal é que a empresa entre em contato com a loja, operadora ou fabricante dos smartphones para se informar sobre pontos de coleta autorizados. 

Logística Reversa: descarte de celulares

A logística reversa para celulares, quando feita do modo correto, não apenas reduz a poluição ao meio ambiente, como também cria um ciclo de reciclagem e reaproveitamento de material que beneficia também a própria indústria.

Isso porque cerca de 80% dos componentes de um celular – plástico, metal e circuitos eletrônicos – podem ser reutilizados pelo fabricante. 

Ou seja, além de reduzir os custos na obtenção de matéria-prima, a organização também diminuiu de forma significativa sua produção de lixo, já que a maioria desses  componentes demoram para se decompor na natureza.

Descarte de pilhas e baterias

O descarte de pilhas e baterias também segue a mesma lógica do despojo dos celulares. Os componentes devem ser enviados aos fabricantes, operadoras ou lojas para terem um destino adequado. 

A coleta de pilhas e baterias é igualmente importante, pois os resíduos que elas liberam são muito mais prejudiciais ao meio ambiente, pois possuem substâncias como mercúrio, cádmio e chumbo em sua composição.

Mas, quando enviadas ao destino correto, elas ainda podem ser reaproveitadas na confecção de novas peças, ou ainda, na produção de cimento.

Vantagens da logística reversa

Além da logística reversa contribuir para a preservação do meio ambiente, ela também concede às empresas muitos outros benefícios. Confira a seguir.

Sustentabilidade 

Estimular o consumo consciente e uma cadeia de produção que se auto sustenta, sem a necessidade urgente de adquirir matéria-prima de maneira recorrente é o objetivo da logística reversa.

Ao estimular a reutilização de materiais, é possível evitar o esgotamento dos recursos naturais, assim como a contaminação do solo. 

Ou seja, a indústria se torna mais sustentável e reduz seu impacto no meio ambiente, garantindo, assim, qualidade de vida para as gerações futuras.

Aprimoramento de processos

É importante ressaltar que a logística reversa não entra em ação apenas na hora de descartar aquele aparelho que ficou ultrapassado ou que chegou ao fim da sua vida útil. 

Ela está muito presente também no comércio eletrônico, quando o cliente, por algum motivo, resolve devolver o produto. 

Neste cenário, a logística é essencial para identificar os problemas existentes na produção, que podem contribuir para que as mercadorias saiam com defeitos. 

Portanto, ao analisar a frequência e o volume dos pedidos de coleta da logística reversa está sendo acionada, é possível aprimorar os processos e evitar que isso volte a acontecer. 

Redução de custos

Uma das principais vantagens da logística reversa é justamente a redução de custos, que pode surgir de diferentes frentes: produção e distribuição (ao reduzir o número de pedidos devolvidos) e custos com matéria-prima (ao reutilizar materiais).

E, além de economizar nestes setores, a sua organização também evita o desperdício. 

Promove uma imagem positiva

Segundo um estudo da agência de pesquisa norte-americana, Union + Webster, divulgado pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), 87% dos consumidores preferem produtos e serviços de empresas sustentáveis. 

Como mencionamos, o consumidor vem demonstrando uma preocupação crescente em relação ao meio ambiente, e as empresas que se adaptarem provavelmente observarão um aumento significativo nos lucros. 

Isso porque, ao divulgar uma consciência ambiental, a imagem da empresa passa a ser vista de forma positiva pelo público em geral. 

Aplicação de logística reversa nas empresas 

Para aplicar a logística inversa na sua organização de modo eficiente, é preciso seguir alguns passos:

#1 Estabeleça uma política de troca e devoluções

O Código de Defesa do Consumidor já determina a possibilidade de devolução e troca de produtos. No entanto, essa rejeição é limitada ao pré-consumo e por um prazo determinado. 

Ao implementar a logística reversa no seu negócio, o ideal é elaborar a própria política de troca e devoluções, visando à coleta de materiais ou o envio para o descarte adequado.  

#2 Tenha um protocolo de retorno de materiais

Para que o processo funcione como esperado, é preciso distribuir as responsabilidades entre os colaboradores. 

Portanto, defina quem irá receber as mercadorias, quem definirá para onde elas serão destinadas, bem se é preciso submetê-las a algum processo antes. 

As respostas para todas essas perguntas devem ser bem claras para que tudo funcione conforme o planejado e a empresa, de fato, ajude na preservação ambiental. 

#3 Informe seus clientes

Um dos fatores mais importantes para que a logística reversa alcance os resultados esperados é a criação de uma consciência ambiental nos seus clientes. 

Não basta apenas divulgar a ação e esperar que todos contribuam de forma espontânea. Até porque a coleta provavelmente não irá até a residência do cliente. Portanto, é preciso que cada um faça sua parte e entenda os motivos pelos quais é preciso ajudar.

Então, o ideal é elaborar materiais que expliquem o dano que os componentes causam na natureza e esclareçam o que será feito com as peças recolhidas. 

Dessa forma, é possível estimular os consumidores e criar uma consciência ambiental. 

#4 Tenha controle financeiro e de estoque

Realizar o descarte de celulares corporativos da forma correta não é tão fácil quanto parece. E não estamos falando da parte em que você entra em contato com o fabricante para se informar sobre os pontos de coleta.

Antes de descartar um dispositivo móvel, ou até mesmo de comprá-lo, é preciso saber qual é o seu ciclo de vida, sua desvalorização, e os custos – que envolvem manutenção – para a empresa. 

Ou seja, é preciso levantar e manter atualizadas todas as informações disponíveis de todos os dispositivos que a organização possui. 

Para tornar essa missão viável, é fundamental que a empresa realize a Gestão de Dispositivos Móveis (MDM – em inglês).

Ao aplicar esse método, a instituição obtém uma visão ampla de seu inventário e estabelece protocolos para que os aparelhos transitem pela companhia de forma segura.

Além do MDM, é necessário também contar com o ITEM (IT Expense Management), que fornece insights, melhorando a tomada de decisão em relação aos seus dispositivos. 

Assim, é possível escolher a melhor opção visando reduzir a perda de recursos por conta da desvalorização que o aparelho sofrerá posteriormente.

#5 Utilize um sistema de gestão integrado

Para combinar as soluções que mencionamos no tópico anterior, o ideal é adotar sistema de gestão integrado, que permita uma completa gestão da mobilidade corporativa.

De forma facilitada, esse sistema reunirá todas as informações sobre os dispositivos móveis da sua empresa em um único lugar, simplificando a vida dos seus gestores de TI. 

Gerenciamento dos dispositivos com logística reversa

O objetivo da logística reversa é reaproveitar componentes de dispositivos que chegaram ao fim da sua vida útil para a confecção de novos.

Então, para que a organização não perca dinheiro e evite repassar para o descarte um aparelho com vida útil, o gerenciamento desses dispositivos é fundamental. 

Afinal, nem sempre o celular corporativo deixa de ter funcionalidade ao mesmo tempo que sua bateria ou seus componentes elétricos. Neste cenário, a empresa pode, por exemplo, reaproveitar algumas peças, como a bateria em um outro celular.

Sendo assim, a organização só tem a ganhar com a economia. Além disso, ao acompanhar o ‘envelhecimento’ dos dispositivos, é possível planejar com antecedência e cuidado a compra de novos celulares e o descarte dos antigos. 

[Quer aprender mais sobre o Gerenciamento de celulares e tablets? Saiba tudo sobre esse assunto neste outro conteúdo.]

Objetivo da logística reversa para dispositivos

Como mencionamos, o objetivo da logística reversa para dispositivos é evitar que seus componentes sejam descartados sem nenhum cuidado na natureza e, assim, impedindo danos sérios ao meio ambiente. 

Além disso, sua missão também é estimular o reaproveitamento de um material que ainda tem valor na fabricação de outros itens. 

Por exemplo, para cada 1 kg de celular que vai para reciclagem, cerca de 650g de metal e 250g de plástico podem ser reutilizados. Ou seja, é uma matéria-prima que iria ser jogada em um aterro sanitário ou na natureza e levaria centenas de anos para decompor. 

Vale destacar que a reciclagem de celulares também contribui para:

  • Fortalecimento das cooperativas de catadores, gerando mais emprego e mais renda;
  • Diminuição na extração de minerais usados na fabricação do celular ajudando na preservação do meio ambiente;
  • Redução significativa da quantidade de resíduos sólidos eletrônicos depositados na natureza, evitando assim a contaminação do solo por metais pesados provenientes das baterias como mercúrio, chumbo, zinco, cobalto e outros compostos que possuem um tempo de degradação de séculos.

Além dos objetivos ambientais, há os benefícios para a empresa, que, como mencionamos, só tem a ganhar com a melhora da reputação e credibilidade da marca perante ao mercado, além da economia na matéria-prima. 

Contudo, para obter essas vantagens, é necessário aprimorar o gerenciamento de dispositivos móveis da sua organização. Conheça nossas soluções: ITEM e MDM.

Adicionar comentário